Atenção

Esse livro não baseia-se na exactidão ou remete a um ponto final sobre cada tema discutido, cabendo ao leitor o colocar de encontro ou não com a sua vontade interior.



“Uma informação para ser bem passada, não basta estar bem escrita, depende de um bom entendedor do outro lado.”

Venho falar de uma ciência de muitos ramos, mas poucos rumos, tão incerta quanto a quântica e tão verdadeira quanto relatividade. Ciência esta muito estudada pouco conhecida a fundo, mas muito falada… A nossa mente.

A ideia de escrever esse livro surgiu a muito tempo quando comecei a perceber que existe algo por explicar dentro de mim, me apercebi que esse algo não estava apenas dentro de mim.

Até hoje não encontramos palavras, para expressar de forma correcta o que nos impulsiona buscar e fazer entender a nós próprios e o nosso meio, seja ele aqui na terra, no nosso universo, nos múltiplos versos, dimensões ou tempo que nele possa existir.

Nessa busca deparei-me primeiro com a religião, tão complexa, de muitos pensamentos ordens e palavras, mas, há um vazio que mesmo assim não é preenchido. Esse vazio deu lugar a perguntas muitas vezes sépticas, e nelas encontram-se mais perguntas e muitas respostas com muito mais incertezas, dentro de toda a nossa certeza que foi base na nossa formação.


Sem medo vos convoco a iniciar a grande obra vossa e de toda humanidade.

“Permitir o mal, é suprimir o bem”.

O livre arbítrio está em saber cumprir o dever com sentimento de Homens honrados, de conhecerem os segredos deixado pela palavra de Cristo a todos os Homens, Cristo não proclamou guerras em seu nome, mas sim propôs a paz e o perdão.

“Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai (João 14.12).”

João trouxe a luz para que outros não dominassem a terra com as suas trevas, ao qual tomariam o conhecimento apenas para eles escondendo a verdade, caluniando a estrela que guiou os magos. Os possuidores das palavras de Satã, entorpecem e fazem os Homens crer que são livres quando escondem e tornam desconhecido a verdade sobre Deus e negam a sua ciência de forma a dominar os seres como se fossem um rebanho.

Essa ciência para libertar-se também negou Deus e buscou materializar-se, mas não são culpados de todo, uma espeça escuridão cobria os seus olhos não vendo assim o espírito da sua própria busca, e em seu nome proclamaram Luz aqueles que não eram cegos.

Quem já ouviu falar de Arquimedes, Pitágoras, Platão, Ptolomeu, Nicolau Copérnico, Newton e até mesmo Einstein, esses homens não procuravam a fortuna material, mas sim o verdadeiro ouro filosófico DEUS.

Agora espiritualizamos para experienciar os milagres que nos foram anunciados.

Novas mensagens nas respectivas páginas.

Quando for adicionado novas mensagens, será feita na página inicial a indicação de uma nova mensagens para as respectivas páginas.

EX - Nome da pagine - nome artigo - data

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

RELIGIÃO

Algo a muito incutido dentro da história da humanidade, dentro deste vazio, surge muitas perguntas que trazem respostas com mais perguntas. Um meio de alívio, um meio de controlo, um modo para justificar as nossas fraquezas, as nossas mentiras, há mentiras que se tornaram verdade.

Talvez a ideia base, fosse conscientizar, expor um sentimento. Hoje não é esse o seu caminho, não conheço todas as religiões que existe no nosso planeta, mas o pouco que tive contacto, me fez abster-se dela, não mais como uma obrigação. Mas sim tirar dos vários pensamentos e ideologias uma filosofia de vida.

Entra cá uma questão muito forte, “DEUS”. Do ponto de vista que me foi incutido e a muito apresentado, como criador de tudo e todos, o ser que nunca descansa, o ser que sabe das nossas angustias, dos nossos desejos, que nos aconchega nas horas mais difíceis. Pois só recordamos de “DEUS” quando estamos aflitos.

Hoje em dia não consigo, acreditar nessa imagem, por que muitas perguntas surgem, e as respostas que delas aparecem por vezes é apenas uma maneira de achar um culpado e de deixarmos de prosseguir com as perguntas e tomar consciência dos motivos e factos, uma forma de camuflar a nossa falta de vergonha.

Já não posso seguir a igreja católica, pois nela há mais sangue, do que a compaixão e amor que formão a sua mascara.
Graças a igreja católica, perdemos anos de avanço na ciência, perdemos inúmeros, documentos importantes para a nossa história como ser humanos.

Penso que Cristo infelizmente, foi uma fraude política, não digo que tal pessoa não possa ter existido, e que talvez tenha sido uma pessoa boa, com bons propósitos, que gostaria de ver muitas coisas a mudarem. Sim penso que um homem comum, com os seus vários defeitos que gostaria de mudar algo que achava injusto no seu tempo.

Mas vejo as possibilidades, de uma cultura com muitos flagelos, de criar uma nova ordem, com base na religião, ama cultura que a muito já tinha sido escravizada e estava a espera de um salvador. Que curasse as feridas vividas pelo aquele povo.
Em certa parte foi falhada, pois na sua base foi rejeitado pelos que se encontravam no poder, imagino que criar factos que não aconteceram na sua grande realidade, foi umas das técnicas, mas bem sucedida para o fazer. Essa politica da mentira ainda hoje se vive em muitos governos.

Se “DEUS” e omnipresente, por que se confessar? Isso é uma das maiores provas, da técnica de controlo implementada pela religião católica.

O cristianismo de perseguido, tornou-se em perseguidores e castradores, da liberdade do ser interior que, persiste na sua busca continua.

A igreja católica antes de opinar deveria lavar as mãos e a cara do sangue, que nela se encontra.

Se um dia eu poder voltar no tempo, irei tirar da historia esse homem chamado Jesus Cristo.

Nas religiões protestantes e em muitas outras como a muçulmana também não consigo me encontrar, algo que tenta incutir o medo, a penalização, e extorsão de pessoas, não pode ser a base, de um amor verdadeiro, não pode ser a base da nossa evolução e prosperidade.
È a base apenas, daqueles que através dele mantêm-se no poder a séculos.

Outras religiões que tem como culto vários deuses, sejam eles em animais ou outras formas, não consigo ver, enquadrada no nosso conhecimento actual.
Devemos respeitar os animais, mas eles não são os nossos criadores.
Devemos também compreender, a ligação com o espiritismo, mas não o tomar como verdade suprema.

Se “DEUS” existe, por que fazemos sofrer outros seres, por que há tanta incompreensão dentro do nosso ser.

Será que não existe Deuses o suficiente, para curar o sofrimento que existe, nesse planeta?

Seja religião que for, não pode incutir verdades, onde não se possa alterar ou questionar o por que.
Penso que a base, da religião, era descobrir os muitos por quês, que surgem a cada dia dentro do nosso ínfimo e infinito desconhecer.

Devem estar a me perguntar se acredito, em “LUCIFER”, como posso acreditar em algo que tem base, e foi incutida nas mentiras, para oprimir as pessoas dos seus actos e pensamentos.

Eu muitas vezes desafiei “DEUS” e mesmo a “LUCIFER”. Até o momento, não vi nada alterado.

Se somos a semelhança de DEUS, posso dizer que ele tem imensos defeitos, e para mim o maior deles foi criar o homem. Alguém com tanta consciência, e saber, não poderia dar esse luxo de errar dessa forma.

Nestes caminhos por onde andei, deparei com Alan Kardec, espiritualismos, espiritismo, todos eles também com o seu contributo para a minha formação na opinião que hoje tenho, mas com muitas mentiras, e dependências, ilusões e frustrações do ser. Mas nessa percentagem pequena, mas ainda muitíssimo duvidosa, a algumas coisas por explicar.
Se as pessoas que nessas, encruzilhadas se encontram, ao invés de escrever com palavras, usassem os números, tínhamos uma nova ciência, e talvez nos possibilitaria mais resposta sobre nos mesmos.

O bem e o mal habitam a mesma casa.

O início

No vazio de nossas vidas encontramos, a razão de estar sempre a procura de entender, o por que de estarmos aqui.
Depois de deparar-me com a religião e a física, me pus a perguntar, onde é que foi que a mente se separou do ser?
Na busca de voltar a unir a nossa verdade, iniciei a procura das respostas, pois eu assim como os nossos antepassados primatas, me pergunto, ao olhar para o espaço a noite, quem criou isso tudo e como foi isso criado.

O mundo não é preto ou branco e sim preto no branco e branco no preto.




Se olhar bem para o símbolo YIN-YANG, talvez consiga perceber que, quem o criou, esteve muito fundo nos seus sentimentos, muito a frente no seu tempo, mas contemplado com a sua própria verdade. Julgue como o quiser, interprete como o queira. Deixara tudo isso quando enxergar o verdade nele, tão presente mas ao mesmo tempo tão oculta, quando realmente enxergar o símbolo que ali se encontra.

Minhas verdades

Só aquele que conhece os seus sentidos, sabe quantas portas, dentro do seu ser deseja manter fechadas. Por vezes a compaixão e a verdade, na angustia e desejo de matar.

O amor

“ O amor, não deveria ser usado nas nossas paixões, onde o futuro é incerto, a paixão não é inccondicional, muitas vezes colocada prova, ela parte-se, o amor é incondicional, não tem barreiras. Quem realmente ama, liberta. Compreende, quer o bem dos outros seres, não distingue os seres ou coisas. É a constante da mais pura verdade”